Business Intelligence e Big Data: entenda as diferenças

17 de outubro de 2023

Tendo em vista alguns pontos de semelhança conceitual e de implementação, muitas vezes, os termos Business Intelligence (BI) e Big Data são confundidos. Embora sejam de fato próximos, os conceitos têm abordagens distintas e que fazem toda a diferença na tomada de decisões estratégicas.

O entendimento do que é cada conceito, bem como de sua utilização assertiva, são fundamentais para que os gestores façam o uso adequado dos dados levantados e processados pelas ferramentas, impulsionando a inteligência competitiva e a gestão eficiente das empresas.

Nesse artigo, domine as principais diferenças entre BI e Big Data e conheça as aplicações possíveis para cada uma dessas abordagens.

Business Intelligence: dados transformados em ferramenta estratégica

Business Intelligence, ou BI, é um termo que se refere ao conjunto de técnicas e estratégias que as empresas utilizam para analisar dados e ganhar mais eficácia na tomada de decisão. São ferramentas que se tornam cada vez mais presentes como fator de inteligência mercadológica dos negócios, a partir da coleta, organização e análise minuciosa de informações obtidas com o auxílio de outras tecnologias como a IA, machine learning, IoT, entre outras.

Os grandes focos de uma estratégia eficiente de BI são:

  • Coleta de dados e transformação deles em fontes de informação;
  • Análise das tendências e inconsistências do mercado;
  • Visualização de dados para validar as informações coletadas;
  • Tomada de decisões estratégicas com base nos insights gerados a partir da análise.

E tudo isso se torna possível a partir de um primeiro passo simples: pesquisar e adotar um dos softwares disponíveis no mercado cuja funcionalidade específica é a captura de dados gerados na rotina operacional de qualquer empresa, com posterior criação de dashboards e gráficos, filtrando as informações mais valiosas. Nessa estrutura em que dados estão acessíveis e visíveis, os processos de cruzamento ficam super operacionais e simplificados.

Ou seja, com a implementação de BI, empresas de diferentes setores podem fazer uso da análise dos dados para tomada de decisões nos campos do marketing, comercial, finanças, automação de processos, controle de estoque, logística, entre outros.

Big Data: processamento grande volume de dados

Se a coleta e o tratamento estruturado de informações já representa um avanço competitivo, imagina quando tecnologias que envolvem análises e aprendizados baseados em dados são utilizadas em conjunto. O valor dessa possibilidade se prova quando olhamos para um mundo em que se estima a geração diária de 2,5 quintilhões de dados, não sendo nada difícil ultrapassar a capacidade de qualquer sistema tradicional de processamento para atender a demanda.

E aqui reside a grande contribuição do conceito de Big Data. Trata-se do processo de gerenciamento e análise de uma grande quantidade de dados, sendo que estes podem ser estruturados ou não estruturados.  Em um contexto onde as tomadas de decisões cada vez mais levam em consideração a análise de informações, estratégias de Big Data possibilitam uma análise ampla, porém direcionada, com o objetivo de determinar o rumo das ações que os gestores devem levar adiante.

Os cinco fatores-chave

Com o objetivo de aprimorar processos e tornar as decisões cada vez mais assertivas, na hora de aderir aos processos e ferramentas de análise dos dados, é crucial seguir os 5 V’s de Big Data:

» Volume: as grandes quantidades de dados coletados exigem uma infraestrutura de alto desempenho para armazenamento;

» Velocidade: ao coletar as informações geradas pelas fontes, elas devem ser processadas e analisadas rapidamente pelo sistema;

» Variedade: é importante focar na diversidade das fontes – utilizando sites e elementos como histórico de compras – e em diferentes formatos, como textos, planilhas e vídeos;

» Veracidade: para que sejam válidos como suporte de análise, os dados precisam ser verídicos e não estarem corrompidos;

» Valor: a relevância que determinada informação tem para o negócio deve ser levada em consideração na hora de analisar os dados.

Com essas etapas sendo verificadas e validadas, a visão Big Data pode ser utilizada em cenários de interpretação de dados, definição de estratégias comerciais, criação de campanhas de marketing, análise de perfis de consumo, entre outros.

Business Intelligence e Big Data: principais diferenças

Business Intelligence e Big Data, como vimos na conceitualização de cada termo, são tecnologias que se assemelham em diversos aspectos e têm suas relações. Entretanto, eles se concentram de formas distintas nas camadas das organizações, tendo aplicações diferentes.

O BI é o processo de coleta, organização, avaliação e apresentação das informações capturadas, oferecendo perspectivas práticas na tomada de decisão. Para isso, são utilizadas ferramentas de conversão das informações em relatórios completos e dados que podem traçar um histórico de determinado cenário da empresa para servir de embasamento na criação de estratégias de negócios.

O Big Data, por sua vez, é mais voltado para administração de grandes quantidades de dados, de maneira a atender uma demanda que os sistemas convencionais de coleta, armazenamento e processamento não têm capacidade. Os dados gerados por meio dessa ferramenta têm velocidade e alta operacionalidade, na direção de processos analíticos mais complexos.

Em resumo, o BI é responsável por coletar e analisar dados históricos e informações que já estão organizadas dentro de um sistema, enquanto o Big Data é responsável por administrar e analisar quantidades expressivas de dados, identificando padrões que poderiam  não ser abordados em uma análise de BI.

Uma perspectiva do mercado de dados

Como já vimos, o mercado de dados é bastante promissor, uma vez que as ferramentas tanto de BI quanto de Big Data são importantes aliadas na hora de tomar decisões assertivas que podem garantir o sucesso de um negócio.

A Associação Brasileira das Empresas de Software (Abes), em parceria com a consultoria IDC, desenvolveu um estudo que apontou as perspectivas para o mercado brasileiro de software no ano de 2022. A pesquisa estima que, no ano passado, o uso de dados no Brasil tenha mobilizado investimentos de R$ 14,9 bilhões, com a maior parte dos recursos sendo  destinada à aquisição de soluções de big data e analytics

Diante disso, é importante considerar que, se o mercado de dados cresce exponencialmente, aumenta também a importância de ter infraestrutura capaz de suportar as ferramentas utilizadas. Por isso, provedores que têm interesse em ingressar ou manter-se como destaque no mercado de TI devem adequar-se a esses conceitos.

Se você atua provendo serviços de TI  e quer estar pronto a desenvolver projetos de BI e Big Data que agreguem inteligência ao negócio dos seus clientes, a SC Clouds é a parceira certa. Nossa especialidade é entregar diferencial competitivo a provedores, com soluções de ponta e equipe altamente qualificada. Clique aqui e saiba como!

Continue lendo

Fale com um especialista

Especialistas em provedores de Edge e Cloud Computing