Realidade Aumentada X Realidade Virtual: entenda as diferenças

3 de agosto de 2023

Os mundos real e virtual se tornam cada vez mais próximos por causa da tecnologia. Na base desse “encurtamento de distâncias” estão conceitos como a realidade aumentada e a realidade virtual, que tornam possíveis experiências que, há pouco tempo, poderiam parecer devaneios futuristas.

Estudos apontam que o mercado para esses nichos tecnológicos é bastante promissor, podendo movimentar até US$ 50,9 bilhões em 2026, de acordo o relatório Worldline Augmented and Virtual Reality Spending Guide da IDC, empresa que oferece soluções e pesquisas ao mercado.

 

 

Para acompanhar essa tendência, que demanda uma estrutura robusta de TI, os provedores devem dominar os conceitos e aplicações que podem ser implementadas a partir da realidade aumentada e da realidade virtual. Quer estar na crista da onda, sabendo mais sobre os conceitos, aplicações e utilizações de cada um desses modelos? Leia esse artigo até o final!

As possibilidades da realidade aumentada

A realidade aumentada consiste na tecnologia que permite a integração entre elementos gráficos virtuais e do mundo físico. Essa experiência híbrida é intermediada pelos próprios smartphones – a partir da geolocalização – ou por equipamentos como óculos especiais – que conduzem o usuário a um ambiente imersivo.

O uso dos mecanismos da realidade aumentada podem ser dinâmicos, interativos e bastante promissores. O varejo é uma das áreas que vem se aprimorando em fazer da realidade aumentada uma ferramenta para melhorar a experiência de venda. Um consumidor pode, por exemplo, testar a acomodação de um móvel novo na sua sala de estar utilizando a câmera do celular. Basta apontá-la para o local e será possível simular a presença do item no ambiente.

Da mesma forma, alguns recursos de realidade aumentada podem ser utilizados para visualização de elementos de arquitetura, decoração ou até mesmo engenharia. Com a inclusão de itens virtuais no cenário real, o cliente pode visualizar o resultado final do projeto. E isso apenas para citar alguns exemplos.

Um mundo de aplicações

Veja abaixo outros segmentos que já aproveitam a realidade aumentada:

Entretenimento: há aplicativos e redes sociais que utilizam ferramentas de realidade aumentada para executar suas funcionalidades. Alguns exemplos disso são os efeitos que os usuários do Snapchat podem inserir na cena capturada e os filtros disponíveis para as postagens do Instagram.

Games: alguns jogos, especialmente os de celular, podem utilizar elementos da realidade aumentada para melhorar a experiência do jogador. Um exemplo bastante conhecido dessa aplicação é o game “Pokémon Go”, com geolocalização e elementos gráficos virtuais para entreter o usuário.

Educação: a realidade aumentada é utilizada, também, por empresas que oferecem treinamentos técnicos em áreas como manutenção e operação de equipamentos.

Realidade virtual para experiências imersivas

Ao mencionar a realidade virtual, falamos de um conceito que permite aplicações mais avançadas. Sua base envolve a criação de interfaces que podem fazer o usuário ficar imerso em um ambiente totalmente virtual, no qual o uso de gadgets, como óculos e headsets, efetivamente simula lugares e situações, podendo ou não ter a interferência do usuário.

Quando se pensa em exemplos práticos, a grande referência é o tão comentado metaverso. O espaço de interação virtual a partir da criação de avatares já é uma realidade. Um estudo divulgado pelo portal Statista aponta que, atualmente, 17% das empresas de TI já investem em tecnologias de realidade virtual, sobretudo voltadas aos ambientes do metaverso.

Realidade Virtual na prática!

Veja abaixo algumas outras aplicações de realidade virtual que estão em uso:

Games: muitos jogos atuais são compatíveis com óculos de realidade virtual. A união do game com o acessório transporta o jogador para o ambiente virtual, com o cenário, ferramentas, trilha sonora e outros pontos de sensação que tornam a experiência mais envolvente.

Educação e saúde: cenários de estudos dentro de ambientes virtuais já são realidade. Diversas plataformas já criaram modelos de gamificação do aprendizado em diversas áreas do ensino, como física, química e biologia. Unindo a educação à área da saúde, empresas também criaram formas de ajudar alunos de medicina com modelos de corpos masculino e feminino para estudo de anatomia.

Projetos estruturais: assim como a realidade aumentada, a realidade virtual pode ser utilizada para criar simulações de projetos de arquitetura e engenharia no modelo 3D.

AR e VR: principais semelhanças e diferenças

Ao analisarmos as aplicações de cada uma das tecnologias, é possível observar semelhanças e diferenças entre as noções e usos da realidade aumentada e da realidade virtual. Vamos compreendê-las?

Semelhanças
  • São tecnologias que proporcionam experiências virtuais aos usuários;
  • Ambas podem ser utilizadas tanto para fins de entretenimento, quanto para o setor da educação e de negócios
Diferenças
  • A realidade virtual traz uma experiência imersiva, proporcionando ao usuário o sentimento de estar de fato em um novo ambiente. Aos amantes de games, por exemplo, a ideia de se transportar para um ambiente virtual com movimentos em tempo real e visão 360° pode ser bastante interessante.
  • Já a realidade virtual se caracteriza por ser híbrida, adicionando elementos ao cenário real e proporcionando ao usuário a visualização de recursos complementares ao que já existe.
  • A realidade aumentada é financeiramente mais acessível, uma vez que pode ser vivenciada a partir de aplicativos no smartphone, por exemplo.
  • No caso da realidade virtual, o uso de equipamentos específicos para proporcionar imersiva pressupõe investimentos maiores.

 

A relação dos provedores com a AR e VR

Diante de tudo que vimos até aqui, não restam dúvidas de que realidade aumentada e a realidade virtual ainda têm muito o que avançar e prometem tomar espaço nos próximos anos.

 

 

Ou seja, os provedores de serviços que não estiverem atentos aos seus usos, incorporando tecnologias de base para implementar soluções dessa linha junto aos clientes, vão perder potencial competitivo. Para criar soluções de metaverso, elementos virtuais que podem ser vistos no ambiente real, novos cenários 100% virtuais e demais diferenciais que as duas modalidades têm, é preciso que haja uma estrutura robusta de armazenamento e servidores capazes de suportar a carga de informações geradas o tempo todo.

É aí que entra o trabalho dos provedores prontos a oferecer soluções alinhadas aos cenários de inovação. Nós, da SC Clouds, somos especialistas em infraestruturas de nuvem preparadas para promover diferencial competitivo e inovação ao seu negócio.

Quer saber mais sobre o assunto e entender  como a SC Clouds auxilia empresas que desejam seguir esse caminho? Clique aqui e fale agora com um dos nossos especialistas.

Continue lendo

Fale com um especialista

Especialistas em provedores de Edge e Cloud Computing